sábado, 19 de janeiro de 2008

Bem sucedido!!!!!

O que uma banda pode fazer para ser bem sucedida?
Ter talento musical? Ter uma boa relação n
o meio musical e jornalístico? Assinar com uma grande gravadora e ter sinal livre para fazer o que quiser nos seus discos e se dar bem com isso? Sorte? Ou, ao assinar com uma major para viabilizar os seus projetos musicais se aproveita disso e comete "auto-insultos" como mudar o nome da banda, como supôs Damon Albarn, vocalista do Blur no ótimo DVD "Star Shaped" (ainda fácil de encontrar nas lojas daqui de Salvador)? Ou fazer um disco muito bom e manter um crescente amadurecimento artistico nos discos seguintes?
O Blur é um bom exemplo! Essa banda inglesa se consolidou no cenário musical com o excelente"Parklife", de 1994, vendendo cerca de 1 milhão de cópias só na Inglaterra! Eles ainda não tinham "acertado" com os dois discos anteriores, mas vingaram neste álbum que possui uma riqueza de sons antenados na época. "Parklife"
aponta para muitos lados como a "dance rave" de "Girls & Boys", as bem-humoradas "Parklife" e "The Debt Collector", baladas como "To the End", rocks em "Bank Holiday" e "Trouble in The Massage Center", brithits destacáveis como "End of Century" e "Tracy Jacks" e flertes com o psicodelismo por todo o disco bem evidenciado em "Far Out". É realmente um "disco referencia" para quem não conhece a banda e um ótimo passa-tempo para quem gosta de britpop de qualidade!
E só bastaram cinco anos, ou dois discos depois deste para o Blu
r se mostrar como uma banda bem sucedida! O álbum intitulado "13", de 1999, mostra o grupo mais maduro com canções seguras e com o psicodelismo mais presente por todo o disco! O Blur apresenta músicas como "Tender", balada com um belo coral gospel que abre o disco, rocks com "B.L.U.R.E.M.I." e "Trimm Trabb", presença forte de britpop em "Bugman" e "Swamp Song", brithits infalíveis como "Coffee & TV" e "No Distance Left to Run" e a notável influência do psicodelismo presente em mais da metade do álbum, tendo destaques para "1992", "Battle" e "Caramel".
Escutando os dois CD's você percebe
que o Blur permanece ali, intacto na sua essência, mostrando para o seu público o quanto ele cresceu ao longo do tempo e das turnês, se fazendo perceber com todo o seu talento e sua liberdade para apontar para qualquer lado musical, nos permitindo observar que a banda possui muitos dos atributos citados no início do texto, isso sem falar que seu vocalista é um dos artistas mais bem articulados da sua geração no cenário musical europeu e africano!
Muitas outras bandas seguem o Blur nesse aspecto
, chegando até a castigar o fã mais paciente na demora do lançamento de um novo disco! Tomara que isso aconteça logo e com a sua formação original!
Pois bem, baixem os discos(nen
hum deles se encontra em catálogo nacional), divirtam-se e comentem!!!!!!!!!!!!!!

Po
st. ao som de Blur - Parklife (CD)

3 comentários:

Gonzona disse...

Graham Coxon faz escola ate hoje! Dia desses vi um clipe novo do Kings Of Leon cuja música deu uma bela chupada em "Song 2" do blur. Até o Marilyn Manson tirou uma lasquinha do Graham em "Fight Song", música do álbum Holywood.
Puta duma banda bacana desde a primeira vez que ouvi "Girls And Boys" em uma fitinha K-7 que veio de brinde no primeiro número da revista General lá pelos idos de 1994.

O texto tá conciso, informativo e interessante. É o nosso novo André Barcinski, esse menino Leo Cima, e o visual do blog tá totalmente excelente, ou como "suele decir" o meu irmão gêmeo, Téo Blue-9, "extremamente de fuder"! Morri de inveja branca de ti, menino! Quero escrever assim também! Continue chutando traseiros!

Gonzona disse...

ps.: esqueci de dizer que levantou-se um belo precedente aí sobre certas bandas sem um pingo de talento ou cr(e)atividade que infestam as cenas de todo o mundo enquanto muita gente boa morre no ostracismo. Há de se pensar no que realmente significa "sucesso" e o que leva alguém em qualquer esfera da criação humana ao "sucesso", e o que se ganha com isso "indeed".

Ricardo Cidade disse...

Sou mais o Suede! Brett Andeson é Deus e eu tenho nojo de vc! Aff!